Conhece o perigo do uso excessivo de antibióticos?

Apesar das muitas campanhas de alerta, e tentativas de informar o público sobre o perigo do uso excessivo de antibióticos, ainda está muito vincada (de forma errada) a ideia de que os antibióticos são solução para quase tudo.

É muito comum nesta altura do ano, serem solicitados pela população, antibióticos para gripes e constipações. Estes pedidos injustificados de antibióticos, acontecem com uma frequência tal, que demonstra uma falta de informação assustadora. Quando alguém tem uma infeção causada por um vírus (como uma constipação ou uma gripe), os antibióticos de nada servem. Os antibióticos só combatem as infeções causadas por bactérias, como uma pneumonia ou a tuberculose. Neste sentido queremos deixar o alerta para que não tome aintibióticos indiscriminadamente, pelos seguintes motivos:

  • Antibióticos apenas podem ser dispensados com prescrição médica.
  • Antibióticos não curam gripes nem constipações, pois estas são provocadas por vírus e os antibióticos tratam infeções bacterianas.
  • O uso excessivo de antibióticos, mesmo através de prescrições médicas levou, nos útlimos anos, a um aumento exponencial da resistência das bactérias, dando origem a um problema sério de saúde a nível mundial.
  • Portugal é dos países europeus com maior taxa de resistência das bactérias aos antibióticos.
  • O impacto desta resistência leva a tratamentos e hospitalizações mais prolongadas, infeções mais graves, uma maior mortalidade e um aumento significativo dos custos em cuidados de saúde.

Os fatores responsáveis pelo aparecimento e propagação destas bactérias são a toma excessiva de antibióticos pelos humanos e  a utilização na veterinária, na agropecuária e na tecnologia industrial. O aumento na movimentação de pessoas e na circulação de alimentos e matérias-primas para a produção alimentar nos diferentes países é outra das fontes.

Em consequência desta crescente resistência a Organização Mundial de Saúde (OMS), alerta ainda para outro grave problema, que são as superbactérias, que são bactérias resistentes à ação da maior parte dos antibióticos. As superbactérias são potencialmente fatais e são o resultado de anos de uso incorrreto dos antibióticos, que levaram a mutações das bactérias tornando-as resistentes a estes medicamentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As resistências aos antibióticos estão a alcançar níveis sem precedentes em todo o mundo. As bactérias, resistentes ou não, desconhecem fronteiras e movem-se entre países, espécies animais e comida, entre outros. Combater as resistências aos antibióticos exige uma ação conjunta a todos os níveis, desde pessoas individuais a responsáveis políticos, passando sobretudo pelo setor agrícola.

Mas a nível individual, além de não tomar antibióticos indiscrinadamente, existem também outras medidas simples que podemos adotar diariamente, evitando o risco de contaminação de bactérias resistentes. Por exemplo, quando cozinhar, assegure-se sempre de que lava as mãos depois de mexer em carne crua, sobretudo antes de tocar na comida pronta a comer. Lave também qualquer utensílio de cozinha, como tábuas de cortar e pratos, entre outros, depois de cada utilização. Cozinhe bem a carne. O calor destrói as bactérias, incluindo as resistentes. Descongele sempre a carne no frigorífico. 

Mas claro, tudo isto nada mais é do que uma gota de água no oceano. Melhorar as condições higiénicas nas quintas, proibir o uso preventivo de antibióticos nos animais de quinta de forma rotineira e reduzir as condições stressantes aos que estão sujeitos a elas são medidas que ajudariam a reduzir a necessidade de utilizar antibióticos em animais e consequentemente no Homem.


Como fazer um uso correto de antibióticos?

Um antibiótico só deve ser tomado quando prescrito por um médico, e pelo tempo e dose por ele recomendados, ainda que os sintomas da doença desapareçam antes do fim da toma recomendada deste medicamento. Muitas vezes quando os sintomas começam a diminuir, é muito comum as pessoas abandonarema a terapêutica recomendada pelo médico e deixam de tomar o antibiótico, levando a que as bactérias ganhem resistência aos medicamentos, colocando todos em risco. 

Caso a terapêutica prescrita realmente leve a que sobrem medicamentos:

  • não jogue as embalagens para o lixo, leve para o VALORMED, na Farmácia mais próxima, e evite contaminar o ambiente, pois esta também é uma forma de tornar as bactérias mais resistentes e difíceis de eliminar.
  • não guarde as embalagens para uma próxima vez, para que não tenha de ir ao médico, pois mesmo que os sintomas voltem a surgir, nada lhe garante que se trata do mesmo problema, nem sequer que terá de fazer antibiótico novamente, por muito que se assemelhem os sintomas. 

Lembre-se que:

  • os antibióticos são medicamentos que matam as bactérias ou inibem a sua reprodução, o que permite ao nosso organismo destruir os microrganismos. Por isso, estão indicados para tratar infeções bacterianas.
  • o desenvolvimento de resistências é um fenómeno natural nas bactérias. Este é acelerado quando se insiste em tomar antibióticos desnecessariamente. 
  • as bactérias resistentes espalham-se rapidamente em ambientes confinados. Por exemplo, em hospitais, centros de saúde e geriátricos. 

Consulte sempre o seu médico, não tome antibióticos por iniciativa própria.

Fontes:

www.dgs.pt

www.insa.pt

www.infarmed.pt

Voltar