Gosta de correr? Então não cometa estes erros!

A corrida tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos.

Todos os dias vemos nas redes sociais alguém a publicar o seu record pessoal, a tentar superar as suas próprias limitações e a criar objectivos ambiciosos. No entanto, estes objectivos exigem mais e melhores nutrientes e é aqui que começam os principais erros alimentares:

Treinar em jejum.

O desgaste de uma corrida de 60 minutos, pode facilmente chegar às 600kcal. A refeição que antecede um treino deve fornecer um bom aporte energético e uma disponibilidade nutricional completa, por exemplo, um pão de trigo com doce sem açúcar, mais uma peça de fruta podendo ainda juntar-se alguns frutos secos são uma solução prática e eficaz.

 

Reduzir calorias para perder peso

O peso corporal tem um impacto grande na corrida, mas não vale a pena não comer e aumentar a intensidade do treino, pois sem uma  correcta ingestão enrgética os músculos não têm o mesmo desempenho, sendo mesmo possível que haja um desgaste muscular como fonte de energia, contrariando assim o objectivo do treino.

 

Fazer treinos longos sem ingestão intermédia

Após 50 a 60 minutos de esforço elevado esgotamos as nossas reservas de energia "imediata" e começamos a entrar no nosso modo de poupança energética, o que limita o rendimento físico. Se o treino ultrapassar os 70 a 80 minutos deve ser ingerida uma barra ou gel energético aos 45 minutos, para que o desempenho do treino possa ser potenciado

 

Não fazer refeição de recuperação

A reposição de glicogénio muscular (o "combustível" das células musculares) ocorre até 45 minutos após exercício. Desta forma, é muito importante que seja aproveitada esta janela de tempo para fazer uma refeição de recuperação (por exemplo, um copo de leite magro com duas ou três tostas acompanhadas de uma fatia de queijo) que garante o aporte necessário de proteína e hidratos de carbono de absorção rápida.

 

Agora está nas suas mãos querer ser mais saudável. Boas corridas.

 

Voltar