Infeções Vaginais - (Des)Equilibrios Íntimos

UM AMBIENTE MUITO PRÓPRIO

A melhor defesa do órgão genital da mulher contra a agressão de fungos, bactérias e outros agentes infeciosos é a acidez característica. Essa defesa é assegurada pela presença natural de um conjunto de microrganismos – a chamada flora vaginal.

O equilíbrio da flora vaginal é determinado por fatores como idade da mulher, fase do ciclo menstrual, atividade sexual e hábitos de higiene íntima, que, quando deficiente ou excessiva, podem perturbá-lo, modificando a acidez vaginal e enfraquecendo as defesas.

A Farmácia da Penha pode aconselhá-la por forma a escolher qual o melhor produto de higiene íntima para si, tendo em conta a fase da sua vida (gravidez, menopausa, irritação vaginal, etc…). 

 

UMA LIMPEZA NATURAL

A flora vaginal tem um mecanismo que quase poderíamos considerar de “auto-limpeza” , pois a flora assegura a sua limpeza eliminando células mortas e outros resíduos, o que origina o corrimento natural e necessário.

A cor e espessura do corrimento modificam-se ao longo do ciclo menstrual. Mas nem todas as mudanças são naturais: se o corrimento é excessivo, adquire uma cor diferente e um odor intenso ou é acompanhado de ardor e comichão, significa que houve uma alteração da flora vaginal. Estes podem ser sinais de uma infeção vaginal.

 

UMA FLORA DESIQUILIBRADA

O desiquilibrio da flora vaginal, causado por fatores internos ou externos, está na origem das infeções vaginais, sendo as mais comuns:

  • Vaginose bacteriana: Corrimento acinzentado ou amarelado, com cheiro desagradável, muitas vezes descrito como sendo odor a “peixe”, ardor e vermelhidão local, são os sintomas mais frequentes e ligeiros. Trata-se com antibióticos prescritos pelo médico.
  • Candidíase Vulvovaginal: Corrimento semelhante a leite coalhado, ardor e comichão na vagina e dor durante o ato sexual são as manifestações mais frequentes. Gravidez, diabetes, sistema imunitário deprimido, anticoncecionais com teor elevado de estrogénios e alguns antibióticos facilitam o seu aparecimento. Pode contagiar o parceiro, pelo que ambos se devem tratar recorrendo a antifúngicos.
  • Tricomoníase: Corrimento amarelo-esverdeado espumoso com odor desagradável e comichão. É também tratada com antibióticos.

A vaginose e a candidíase não são doenças sexualmente transmitidas. Mas a tricomoníase é transmitida por via sexual, sendo por isso necessário tratar o homem e a mulher e usar preservativo nas relações sexuais enquanto houver infeção.

 

UMA QUESTÃO DE HIGIENE

A vagina possui os seus próprios mecanismos de higiene. É o suor e a proximidade do aparelho urinário que justificam a limpeza dos órgãos genitais. A higiene adequada previne o aparecimento de infeções mas pode não as evitar. Lavagens em excesso deixam a mulher mais vulnerável.

Assim:

  • No máximo, faça duas lavagens íntimas por dia.
  • Evite os duches vaginais, pois irritam a vagina.
  • Os toalhetes e desodorizantes secam a região vaginal, reserve-os para situações excecionais, como viagens.
  • Lave-se e limpe-se sempre da vagina para o ânus, de modo a evitar que a flora intestinal entre em contacto com a região genital.
  • Prefira roupa interior de algodão.
  • Evite roupas apertadas, pois favorecem o desenvolvimento de infeções.

Os produtos de higiene íntima devem ser utilizados mediante indicação médica ou farmacêutica.

 

Sempre que tiver dúvidas sobre os melhores cuidados  a ter ou se evidenciar alguns dos sintomas atrás descritos, procure-nos. Estamos disponíveis para lhe facultar toda a informação necessária sobre a forma mais adequada de prevenir e tratar uma infeção vaginal.

Fonte:

 

Voltar