Piolhos - Como se Propagam? Como se previnem? Como se eliminam?

Poucas são as pessoas que ao longo da sua vida não sofreram de pediculose capilar, ou seja, poucas são as pessoas que não tiveram piolhos!

Quando temos conhecimento de que alguém que está próximo de nós tem piolhos, a primeira reacção é quase como que de uma comichão instantânea.

Mas calma, é fácil ser contagiado com estes parasitas mas, com o devido conhecimento, tal situação certamente não chega acontecer.

Os piolhos não voam nem saltam, o que significa que o seu contágio pode apenas ser feito por contacto directo. A situação mais frequente é o contágio ocorrer pelo contacto de cabeça para cabeça, ou através da partilha de escovas e é nas alturas do verão e do regresso às aulas que a propagação pode ser maior, já que os piolhos gostam de meios húmidos e quentes.

Além disso, os piolhos são extremamente resistentes, pois sobrevivem até dois dias sem se alimentarem e ainda resistem à água.

Se trabalha com crianças ou tem filhos em idade escolar os cuidados devem ser redobrados, no entanto, existem passos que, bem seguidos, não permitem que nenhum piolho sobreviva.

Têm 6 patas, um aspeto oval, e medem entre 2 e 4 mm. As fêmeas piolho põem cerca de 10 ovos diariamente, que se fixam aos fios do cabelo, perto do couro cabeludo, em pequenos saquinhos microscópicos brancos, chamados lêndeas.

Ao contrário do que possa pensar, estes parasitas não procuram preferencialmente cabeças sujas e o seu contágio em nada se relaciona com higiene, na verdade até têm uma certa tendência para preferir cabeças bem limpas. Na verdade, qualquer cabeça limpa, suja, loira, ruiva, morena, de menino, de menina, dos pais, dos professores ou educadores são suscetíveis ao contágio deste parasita. Os piolhos surgem mais frequentemente em raparigas, devido aos cabelos compridos e à sua maior proximidade física durante as brincadeiras, o que facilita o contágio. Os piolhos afetam anualmente cerca de 40% das crianças em idade escolar, de qualquer classe socio-económica ou cultural. 

COMO PREVENIR:

- Inspeccionar a cabeça:

Deve inspecionar periodicamente a cabeça da criança e restantes membros da família, caso desconfie que alguém possa ter o parasita, especialmente nas zonas mais húmidas, na nuca e atrás das orelhas.. 

- Evitar partilhar roupas e chapéus:

Ao brincar, as crianças têm maior contacto umas com as outras. É essencial incentivar as crianças a não partilhar roupas, lenços, chapéus, almofadas, escovas ou pentes, de forma a diminuir o risco de contágio.

- Desifectar a sua casa:

Lave a roupa de cama a 60°C. Aspire a casa e o carro, e deite fora o saco do aspirador.

- Usar touca na piscina:

É essencial incentivar o uso de touca de banho na piscina. Dado que os piolhos resistem à água, é um local com grande risco de contágio.

- Usar sprays repelentes:

Ajudam a prevenir reinfestação e proporcionam uma proteção diária prolongada e eficaz contra os piolhos.

A utilização destes produtos não invalida a verificação do couro cabeludo com alguma regularidade.

Neste tipo de produtos, sugerimos: Paranix Repel, Stop Piolhos Prevenção.

 

COMO ELIMINAR:

 - Colocar uma toalha branca:

Coloque uma toalha branca sobre os ombros da criança. Em seguida, passe um pente de dentes finos. No final verifique se identifica algum piolho sobre a toalha. 

- Fazer o tratamento no cabelo seco:

O primeiro passo é preferencialmente eliminar a seco. Se o cabelo estiver seco, proporciona uma maior concentração do tratamento e evita o contato com os olhos.

Nesta fase temos várias sugestões de tratamento: Stop Piolhos, Parasidose, Paranix ou Quitoso Neo.

- Usar um pente de dentes finos:

Após a aplicação do tratamento é essencial a  utilização de um pente de dentes finos, quer para a remoção dos piolhos mortos, quer das lêndeas, no caso de meninas com cabelos compridos aconselhamos o uso bastante amaciador, na lavagem posterior ao tratamento, pois facilita a passagem do pente sem a tornar dolorosa.

A Farmácia da Penha relembra ainda que a prevenção é o melhor tratamento.

Voltar